Blog, Construção e Reforma, Minha Casa

Eu me sentia uma fraude por causa da minha casa

Eu me sentia uma fraude porque minha casa não corresponde aos padrões que eu tinha idealizado. Estava bem longe disso mesmo! Preciso contar toda a historia, porque toda casa tem a sua, e também as justificativas por ser como é! Quero dividir com vocês coisas que nunca falei nem com amigos meus.

Do começo…

A história começa em 2008 quando vim morar com minha esposa, tinha 23 anos, acabava de voltar de um ano morando em Florianópolis e estava com a vida um pouco bagunçada entre a aceitação da sexualidade, problemas de relacionamento com meus pais e alguns emocionais. A casa era grande, após a separação dos pais dela, somente o pai morava, e ela se dividia entre a casa com a mãe e ele.  Mas ficamos morando por um curto período com ele. Quando cheguei ela estava construindo no fundo onde era a churrasqueira para que o pai  mudasse da casa e liberasse a casa de madeira. Ela tinha intenção de ampliar a clinica que já existia  uma parte na frente da casa. Aconteceu que nos mudamos pra recente construção inacabada e ele continuou em uma parte da casa de madeira para que a construção da clinica acontecesse.

Esta é a foto mais antiga que tenho da casa. Era pior, neste estagio já havia passado por reformas na base da madeira que era podre e a porta havia sido colocada na sala

E dai começa nossa casa. Dois quartos, uma cozinha, uma lavanderia péssima e dois banheiros, um novo e outro horroroso.  Lembra que o que era novo estava inacabado? Então começamos a pintar e colocar móveis. Não demorou muito pra aparecer ratos que sempre foram meu verdadeiro horror. A porta foi reaproveitada estava caindo aos pedaços, não impedia a passagem deles, a cozinha não tinha forro e eu os via no telhado. Era a casa do terror.

 

 

 

Depois de olhar essas lindezas, Lobo e Mel que já viraram estrelinhas. Observe a madeira do fundo da foto, era assim antes a frente da casa, e esta foi a unica foto que achei pra mostrar

Como sempre tive habilidade com artesanato fiz uma parede de isopor pra isolar a parte que estava horrível, e forramos a cozinha. Nesta época a pintura estava sendo feita também. Nós até podíamos pagar uma reforma, mas havíamos assumido o compromisso da construção da clinica, e como o pagamento era beeeem alto e  a nossa prioridade, não podíamos assumir mais contas. As coisas pioraram (claro, na casa do terror não dava pra ter prosperidade). As pessoas que alugavam as salas da clinica montaram uma clinica pra eles e foram embora com um ano de construção feita e mais sete para finalizarmos o financiamento. Se não tinha dinheiro antes, piorou agora, né?! Conseguimos criar novas rendas para clinica e mesmo com dificuldades íamos pagando como podíamos as parcelas.

 

Mas a casa era muito difícil de lidar pra mim. Nós nutríamos a ideia de demolir e fazer tudo novo. E não era possível naquele momento. Meu pai que trabalhou algum tempo como pedreiro nos ajudou e conseguimos tirar a lavanderia provedora de ratos e as bagunças do lado que não usávamos.  Tínhamos agora uma sala, com zero acabamento. Passei anos sem saber o que era dormir num sofá, porque não tínhamos, e provavelmente poderíamos ter comprado, mas nossa vida financeira era toda desregrada, gastávamos mais do que podíamos. Eu era muito consumista, e não percebia. E minha esposa não sabia se ver cheia de dividas. Deixava pra que eu cuidasse de tudo , porque segundo ela eu conseguia pagar as contas .

O Feng Shui…

Eu amo decoração desde criança, passava mais tempo arrumando a casinha das bonecas do que brincando com elas. Já conhecia o Feng Shui e soube que a área mais bagunçada da casa era a que corresponde ao Guá da Prosperidade. Após isso comecei a me mexer mais, e tiramos  um tanto de coisas velhas pra fora. As obras eram constantes.  Em 2014 fiz meu primeiro curso de Feng Shui, e comecei a de fato mudar as coisas. Foram muitas mudanças, forramos tudo, pintei o piso que era cimento bruto, pintamos toda a casa, arrumamos calcada, comecei a colocar algumas plantas e estávamos mais felizes e satisfeitas. Mas agora tínhamos um grande entulho no centro do quintal, a parte da casa de madeira que meu sogro morou nos seus últimos anos de vida

Casa demolida

 

O Harmonizando Ambiente

O tempo passou e o Harmonizando Ambiente surgiu na minha vida. A principio a casa que não estava nos  ”meus padrões ideias” não foi um problema. Mas com o passar do tempo passei a me sentir uma fraude. Como que eu ensinaria as pessoas o que deveriam fazer na casa delas, e eu não tinha a casa perfeita? . Minha busca ainda era constante e não me sentia bem, tanto é que evitava ao máximo visitas, por vergonha da casa. Em 2017 o Harmonizando já tinha um ano e tanto e o financiamento da Clinica finalmente acabou. Pude então finalizar várias coisas que me deixavam triste. Agora tinha sofá. Fizemos um piso que parecia vermelhão, mas era cinza. Pintamos novamente, trocamos a TV pra posição de comando, tiramos de vez o “quarto da bagunça” fazendo do lado de fora no banheirinho velho que também foi feito reparos em um espaço pra ferramentas. Ufa! Agora sim as coisas estavam melhores.  Mas eu ainda olhava pra todos os lados e via coisas pra fazer…

Final de 2018 com o piso de caquinhos feito e a casa ganhando mais identidade

A cura…

Sentei um dia, e marquei tudo que achava importante fazer. Conversamos e decidimos que agora não queremos entrar em outra conta pra fazer casa. Por isso íamos fazer tudo que era preciso na nossa. E é dai que começarão novos posts falando sobre minha casa e as mudanças que ainda estão acontecendo. Eu ensaiei escrever este texto dezenas de vezes, porque estou me deixando totalmente exposta pra você que está lendo. Mas tomei esta decisão porque sei que tudo faz parte da minha cura e da cura da casa. E com toda certeza saber toda esta longa historia irá estimular pessoas que não conseguem sair do lugar pelo mesmo motivo que fazia eu me sentir uma farsa, a ideia de perfeição. Gosto muito de um dos slogans da  Erika Karpuk,  “desconstruir a perfeição”  ela é uma arquiteta que também passou por um processo de amor e cura pela casa antiga que mora atualmente. Tem tanto charme no antigo. Uma diarista nova estes dias comentou assim daqui de casa ” nossa aqui tem tantos cantinhos legais” e eu brinquei que são gambiarras, mas pensadas pra criar mais harmonia pra casa.

Essa foi a parte mais importante, remover este peso de que eu teria que ter a casa perfeita. Enquanto não tem nada a ver comigo uma mansão toda equipada, cheia de tralhas e coisas que não fazem parte da minha essência. Eu não gosto nem de ar condicionado. E perceber essas coisas em mim foi um processo muito importante de aceitação. Entender que eu não preciso da Tv de ultima geração, porque eu mal assistiria, e teria apenas pra mostrar que eu posso comprar. Definitivamente eu prefiro ostentar meu pé de Blueberry que está crescendo lindo e rico no quintal….

Foi realmente libertador contar tudo isso pra vocês. Sumiu aquela ruga na testa e consigo sorrir. Muito obrigada a todas as energias e forças que fazem parte desta cura.

Sinto Muito, Me perdoe, Te amo , Sou Grata.

Com amor e imensa gratidão

Flávia Almeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *